Apenas 10% das comunidades quilombolas brasileiras são regularizadas

capa_quilombo_americasBárbara Oliveira, diretora de Programas da Secretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais da Seppir, ressaltou nesta quarta-feira, 20, durante o lançamento do livro Quilombos das Américas, que existem atualmente no Brasil mais de duas mil comunidades afrorrurais, presentes em 25 estados, mas “apenas 10% delas têm seus territórios titulados. Para essas comunidades, a identificação se dá fortemente ligada ao território, e não reconhecer isso é uma violação muito grave de seus direitos e de sua cultura”.

Segundo ela, o intuito do projeto de pesquisa que resultou na publicação do livro é fortalecer a discussão das comunidades afrorrurais. O projeto reconhece a riqueza cultural e histórica dessas comunidades, mas não esconde a vulnerabilidade econômica e jurídica a que esses grupos estão submetidos. “Território e políticas asseguradas vão nos ajudar muito a garantir os direitos e a dignidade desses grupos”, afirmou Bárbara.

Josenilton Marques, pesquisador da Coordenação de Igualdade de Gênero e Raça do Ipea, lembrou que o projeto reúne e agrega instuições variadas num mesmo objetivo e forma uma rede de denúncias das violações de direitos que essas comunidades vem sofrendo ao longo do tempo.

Rafael Osório, diretor de Estudos e Políticas Sociais do Instituto, foi o mediador da discussão. Ele afirmou que a história das pesquisas de desigualdade racial no Ipea é paralela à institucionalização do tema no governo federal.

Quilombos das Américas é uma publicação realizada em parceria da Seppir, Ipea, Embrapa, Contag, e outras entidades que trabalham com questões raciais, agrícolas e trabalhistas.

Leia o livro Quilombo das Américas 

Anúncios

0 Responses to “Apenas 10% das comunidades quilombolas brasileiras são regularizadas”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ipea no twitter

  • @paulocbastos Muito obrigado por compartilhá-lo com a gente! Excelente artigo! 👏👏👏 10 hours ago
  • É importante promover o debate contemporâneo sobre a elaboração e a implementação de políticas públicas para a democratização da água. 11 hours ago
  • Essas e outras questões são abordadas no livro O Direito à Água como Política Pública na América Latina: uma exploração teórica e empírica 11 hours ago
  • A seca prolongada e a atual crise hídrica nos chamam a atenção para o direito humano à água! O que significa a exis… twitter.com/i/web/status/9… 11 hours ago

Insira seu email e receba atualizações por email.

Junte-se a 34 outros seguidores


%d blogueiros gostam disto: