1ª Mostra de cinema independente da Code exibirá 16 curtas e 3 longas

Cena do curta 'Marcovaldo', dirigido por Cintia Langie e Rafael Andreazza

a 2ª Conferência do Desenvolvimento (Code), seis mostras serão realizadas nas três salas de cinema que serão montadas no Parque da Cidade. Umas delas é a 1ª Mostra de Cinema Independente da Code, que vai exibir 16 curtas-metragens e três longas-metragens de cineastas de várias partes do país.

Confira a programação!

23/11/11 – sessão 14h30

Julie, Agosto, Setembro
Direção: Jarleo Barbosa, ficção, cor, digital, 8 min., GO, 2011.
Julie é uma suíça que acabou de se mudar pra Goiânia. Pouco a pouco ela vai entendendo a cidade até, por fim, se transformar em uma parte dela.

Aperreio
Direção: Humberto Capucci, documentário, cor, digital, 20 min., SP, 2010.
Retrata a interferência das mudanças climáticas na vida das pessoas

Quem Matou o Jorge?
Direção: Fernando Fraiha, ficção, cor, digital, 18 min., SP, 2010.
Thiago, um menino que aprende a realidade de maneira muito particular criando sentidos e relações inusitadas para o cotidiano, depara-se com a morte de Jorge, o cachorro da Sra. 41. Resolve então fazer um filme investigativo para solucionar o assassinato e termina por descobrir fatos importantes sobre a sua família.

Inóspito
Direção: Rodrigo Luiz Martins, ficção, cor, digital, 18 min., DF, 2011.
O trabalho de dois homens em um lugar inóspito.

De saco cheio
Direção: Davi Mello, ficção, cor, digital, 16 min., SP, 2011.
A adolescência conturbada de Oscar, um garoto como todos os demais, não fosse o fato de ter nascido com um saco de pão na cabeça. Em meio a uma sociedade, Oscar tenta agrupar-se ao mundo em que vive.

Porto dos Mortos
Direção: Davi de Oliveira, ficção-científica, cor, digital, 88 min. RS, 2011.
Policial persegue assassino sobrenatural.

24/11/11 – sessão 14h30

Marcovaldo
Direção: Cintia Langie e Rafael Andreazza, ficção, cor, digital, 15 min. RS, 2010.
Marcovaldo narra as 24 horas na vida de um brasileiro.

Morte e morte de Johnny Zombie
Direção: Gabriel Carneiro, ficção, cor, digital, 13 min., SP, 2011.
Johnny Zombie, aos poucos morre, ainda que vivo.

Duplo
Direção: José de Campos, ficção, cor, digital, 17 min., DF, 2011.
Duplo conta a estória de um homem que se vê dividido entre uma personalidade agressiva e outra socialmente aceita.

1:21 – Adriana Câmara
Direção: Adriana Câmara, ficção/experimental, cor digital, 10min. PE-RJ, 2010.
Um instante fixado na madrugada. Uma tragédia. A busca pela resposta. (Filme inteiramente captado em fotos still)

Bastar
Direção: Gustavo Serrate, ficção, cor, digital, 20 min. DF, 2010.
Homem descobre segredos ocultos nas madrugadas sujas de Brasília.

Meia Boca Band
Direção: Ruyter Curvello Duarte, documentário, cor, digital, 11 min., SP, 2011.
Conta a história de um músico de rua.

Dia de Preto
Direção: Marcos Felipe, Daniel Matos e Marcial Renato, ficção, cor, digital, 90 min. RJ, 2011.
A eterna busca de liberdade através dos tempos.

25/11/11 – sessão 14h30

A Vaca
Direção: Marcelo Menezes, documentário, cor, digital, 20 min., SP,2008.
O carnaval do bumba meu boi mostrado de uma forma diferente.

Às Vezes o Céu é Azul
Direção: Joeli Pimentel, ficção, cor, digital, 15 min. SP, 2011.
Um casal apaixonado tenta melhorar de vida e acaba se metendo em apuros.

213? – Elias Rodrigues, 20 minutos
Direção: Elias Rodrigues, ficção, cor, digital, 20 min., DF, 2010.
Rotina solitária, encontros frustrados, Flávio Galvão é acusado de pedofilia sem chance de se defender.

Iolovitch, O Azul de Brasília
Direção: Adriana de Andrade, documentário, cor, digital, 3 min., DF, 2010.
Artista plástico de profissional desde os 15 anos, Paulo Iolovitch veio pra Brasília na construção da capital; é um dos pioneiros desta cidade. O azul de Brasília pinta todos os dias, expõe e vende suas obras em bares da noite brasiliense. Sua arte está espalhada em galerias e coleções particulares pelo mundo.

Releitura
Direção: Cristiano Aro, ficção, cor, digital, 20 min. SP, 2011.
Ser devorada pelo lobo é ruim, voltar da barriga dele é pior.

O vazio está cheio de nada e o nada de vazio
Direção: Vinicius Bandera, ficção, cor, digital, 120 min. RJ, 2011.
Personagens discutem a relação entre o vazio e o nada tendo como pano de fundo recortes da cultura popular brasileira.

Anúncios

1 Response to “1ª Mostra de cinema independente da Code exibirá 16 curtas e 3 longas”


  1. 1 Patricia novembro 19, 2011 às 12:02 am

    Legal! Vou aproveitar para ver o Bastar que não consegui ver no Festival… =)


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ipea no twitter

  • @paulocbastos Muito obrigado por compartilhá-lo com a gente! Excelente artigo! 👏👏👏 10 hours ago
  • É importante promover o debate contemporâneo sobre a elaboração e a implementação de políticas públicas para a democratização da água. 11 hours ago
  • Essas e outras questões são abordadas no livro O Direito à Água como Política Pública na América Latina: uma exploração teórica e empírica 11 hours ago
  • A seca prolongada e a atual crise hídrica nos chamam a atenção para o direito humano à água! O que significa a exis… twitter.com/i/web/status/9… 11 hours ago

Insira seu email e receba atualizações por email.

Junte-se a 34 outros seguidores


%d blogueiros gostam disto: